sábado, maio 10, 2008

Ausência

Doí-me a cabeça. Contava fugir-me na almofada lilás. Preciso de descansar. Mas acho que vos devo umas linhas, umas linhas, tortas, que traçam o tortuoso perfil do "in me". Devo-vos a minha vida. Respiro-vos todos os dias. Respiro-vos, mesmo quando estou longe. Muito longe daqui. Sinto-vos sempre por perto. Sinto o bater do vosso coração como se fosse explodir para dentro do meu coração. Fundirem-se num só, as it should be .
Sinto a presença, a ausência. A ausência é uma terrível presença.

1 comentário:

LaBruyere disse...

Por vezes fico com dúvidas existenciais que se expressam bem na seguinte frase:

********************************************************************************************************************************************
« Fazer Poesia é como fazer Amor: nunca se saberá se a própria Alegria é compartilhada. »

CESARE PAVESE.

Escritor italiano (1908-1950).
********************************************************************************************************************************************